Vereador Goura é ameaçado na internet após questionar movimento separatista

Por Redação 03/10/2017 - 21:46 hs
Foto: Divulgação / Câmara Municipal de Curitiba

O vereador Goura, do PDT, foi ameaçado na internet depois de acionar o Ministério Público Eleitoral e o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná para questionar a legalidade de um plebiscito informal organizado pelo movimento separatista “O Sul é meu país”. Marcada para o próximo sábado (7), a consulta popular informal deve ser realizada em cidades do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O questionamento do vereador sugere que a mera consulta, mesmo que informal, fere os fundamentos da República Federativa do Brasil. Ele argumenta que a Constituição é clara ao definir a Federação como união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal.

Desde o ano passado, quando a consulta foi feita pela primeira vez, ela é chamada de “PlebiSul”, porque o movimento já foi proibido pelo Tribunal Regional Eleitoral, de Santa Catarina, de chamar a ação de “plebiscito”. O jornalista catarinense Celso Deuch, um dos organizadores do movimento, afirma que o grupo não se importa com a proibição. O movimento pretende apenas ouvir a opinião da população, pra saber se deseja que a região Sul se separe do restante do Brasil, formando um país independente.

Celso Deuch  condena a reação de alguns entusiastas do separatismo que ameaçaram o vereador Goura. Para o líder do grupo, essas pessoas não são bem-vindas no movimento.

Apesar de defender o vereador contra os ataques, o líder do movimento não alivia as críticas ao requerimento. Ele afirma que Goura foi infeliz na manifestação.

Goura mantém a posição e se diz no direito de questionar o movimento. Na opinião do vereador, existem outros mecanismos para melhor a distribuição de recursos no país, sem que haja uma separação. Ele cita o debate sobre o Fundo de Participação dos Municípios, entre outros. Ele critica o líder do movimento por tê-lo chamado de fascista em um artigo no site do PrebiSul.

O vereador nega que tenha tido a intenção de proibir o movimento. Ele afirma que apenas levou o questionamento ao órgão responsável.

No ano passado, no primeiro PlebiSul, 617.543 votos foram contabilizados pelo movimento. Desses, segundo apuração própria, 95,75% das pessoas que votaram foram favoráveis à criação de um novo país com a separação do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná do resto do Brasil.